Tucanos cobram competência do prefeito e Marialva pede investigação contra ex-deputado

A Bigorna 10/08/2019 01:00:00 2435 visualizações
# legenda: Política

Na última Sessão de Câmara, o vereador do PSDB Toninho da Lorsa durante a Palavra Livre destacou diversos apontamentos de irregularidades cometidas pelo prefeito Joselyr B.C.Silvestre (Jô Silvestre).

O tucano destacou que há mais de 130 apontamentos do TCE que inúmeras as irregularidades no governo Silvestre, e destacou que tudo isso em menos de 3 anos.

“Alguém precisa alertar o prefeito que algo não está certo. Temos um Portal da Transparência não informa nada. E quando responde, depois de mais de 30 dias trocou o software pelo dobro do preço, destacou o vereador. Até quando os vereadores que apoiam o prefeito vão viver num mundo de ‘Alice no País das Maravilhas’” - frisou.

Toninho destacou ainda que Jô Silvestre vai numa rádio o chama para um desafio, um  ‘bang-bang’, depois vai numa rede social e me chama de ‘arregão’, termo que, segundo o vereador,  não ouvia desde que estava na 8ª série.

“Pra mim esse prefeito não é bom. Tem um prédio para instalar uma empresa desde o começo do seu mandato, mas ele não gera empregos, só fala em festa. Duvido que quem esteja desempregado está feliz com tantas festas aqui em Avaré.” - destacou.

O parlamentar ainda frisou que Silvestre não tem preocupação com o sistema de saúde, educação.

“Não dá pra elogiar uma administração que não tem competência. O asfaltamento do Jardim Califórnia não tem nada. No Bairro Paineiras está tudo parado. Não tem como aplaudir uma administração dessa. A oposição que defende o prefeito deveria alertá-lo, e não bater nas costas dele.- finalizou o vereador.

Marialva – Já a vereadora Marialva Biazon pediu explicações ao ex-deputado federal José Roberto Batochio, o qual, segundo a vereadora teria empregado em cargo de confiança a esposa do ex-vereador cassado Rodivaldo Rípoli, quando estava no cargo de deputado.

Ela pediu cópia da frequência da esposa que trabalhou para o ex-deputado Batochio em Brasília. Para Marialva, o caso deve ser apurado com rigor pela Justiça.

 

 

 

Contato:

WhatsApp (14) 9.9705-7070
Fone: (14) 9.9705-7070
Email: contato@abigorna.com.br