• Brasil vê aumento de mortes por covid-19 com vacinação estagnada

    1343 Jornal A Bigorna 21/05/2022 06:50:00

    O Brasil está passando por um novo aumento de mortes por covid-19, com um crescimento de 16% nos óbitos, em relação aos últimos 14 dias, e o sétimo registro diário acima de 100 mortes. Em 6 de maio, o Brasil tinha 94 mortes por dia, em média. Na sexta-feira, 20, atingiu 109. O novo avanço ocorre no momento em que se observa uma estagnação nos números de vacinação e o Boletim Infogripe da Fiocruz alerta que os casos de covid voltaram a predominar entre as causas de internação por Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) e já respondem por 41,8% dos registros.

    Embora 80% da população já tenha tomado pelo menos duas doses do imunizante, a proteção com reforço não é tão alta em algumas faixas etárias. Nos grupos mais jovens, está abaixo da média considerada satisfatória. Entre os menores de 60 anos, por exemplo, menos de 40% das pessoas tomaram a dose de reforço. Nas crianças entre 5 e 11 anos, 32% estão com esquema vacinal completo. Esse porcentual permite que o vírus continue circulando. “Mesmo que essas pessoas não apresentem casos graves da doença, elas mantêm o vírus em circulação, e podem levá-lo para os mais vulneráveis”, explicou o pesquisador da Fiocruz Marcelo Gomes, responsável pelo Infogripe.

    É importante dizer que os números ainda estão distantes dos momentos mais graves. O pico foi relatado em 8 de abril no ano passado, com 4.249 óbitos – considerando relatos diários das Secretarias de Saúde.

    Mas, o dado em relação às mortes em decorrência do novo coronavírus não foi o único indicador preocupante divulgado na sexta-feira. Depois de quase três meses de estabilidade, a taxa de transmissão do Sars-CoV-2 voltou a subir e já alcança 1,25 (o ideal é que o número fique abaixo de um). Isso indica circulação mais intensa do vírus, segundo dados da plataforma de monitoramento da Universidade de São Paulo (USP) e da Universidade Estadual Paulista (Unesp).(Do Estado)

    OUTRAS NOTÍCIAS

    veja também