Minha vitória em SP é a derrota do Doria e o fim da candidatura dele ao Planalto, diz Márcio França

A Bigorna 29/07/2020 09:00:00 462 visualizações
# legenda: Política

Ainda é pré-campanha, mas o ex-governador Márcio França (PSB), 57, tem se dedicado dia e noite a associar a imagem do prefeito Bruno Covas (PSDB) à do governador João Doria (PSDB).

O cálculo é óbvio: França tentará repetir, na disputa com Covas pela Prefeitura de São Paulo, o embate da eleição de 2018. Embora tenha sido derrotado por Doria no segundo turno (52% a 48%), o socialista venceu na capital (58% a 42%).

"Uma vitória minha é uma derrota do Doria", diz à Folha o pré-candidato, que fez sua carreira política na Baixada Santista, mas mora há alguns meses na Vila Mariana (zona sul).

Ex-aliado dos tucanos no estado, França foi vice de Geraldo Alckmin, que deixou o cargo para ele ao renunciar ao Palácio dos Bandeirantes em 2018 para concorrer à Presidência. Agora, quer ser a pedra no sapato de Doria em sua tentativa de disputar o Planalto em 2022.

Coligado com o PDT (de onde vem seu vice, o sindicalista Antônio Neto), o postulante do PSB vê ainda chance de angariar simpatia entre apoiadores de Jair Bolsonaro (sem partido), que veriam em Doria um adversário a ser combatido.

França pretende reeditar na campanha propostas como o alistamento civil de jovens, uma de suas bandeiras prediletas. O projeto chegou a ser adotado por ele em seus nove meses como governador. "Eu não me conformo que o Doria encerrou."(Da Folha de SP)

Contato:

WhatsApp (14) 9.9705-7070
Fone: (14) 9.9705-7070
Email: contato@jornalabigornaavare.com.br