• 872 Jornal A Bigorna 26/04/2021 08:30:00

    Palanque do Zé

    Uma coisa que as pessoas não costumam pensar muito, é em espionagem. Mas a nossa sociedade, basicamente, só existe tal como a conhecemos, por causa dela.

    Eu poderia passar vários minutos falando para você sobre espionagem. Da época da Cleópatra, passando pelas Guerras Mundiais até a localização do Bin Laden pelos Estados Unidos.

    Mas seria um erro. Porque meu objetivo é te mostrar que a sua vida é espionada o dia todo. Por muita gente.

    Pois é, espionagem não é só coisa de Países ou de “gente importante”.

    Por exemplo, os Estados Unidos dispõem de um satélite capaz de capturar imagens de radar em alta resolução de qualquer lugar do mundo, dia e noite.

    Certo, mas você pode dizer: Isso muitas Nações e até algumas Empresas tem!

    Não nego que seja verdade. Mas até onde se saiba, só eles dispõem desse equipamento, que é capaz de “enxergar” até mesmo através de paredes.

    Ele foi lançado há alguns meses por uma empresa chamada Capella Space. Agora você está oficialmente impressionado, né?

    “Ah, mas eles não vão me espionar, porque eu sou desinteressante”. Pode ser, mas e se eu te falar que a empresa disponibiliza os seus serviços para "clientes governamentais ou privados”? Aí você passa a ser um alvo em potencial, não?

    Nesse dado momento, espero que você esteja revoltado se questionando sobre a sua privacidade, etc e tal. Mas se acalme porque a coisa fica muito pior, te garanto.

    Uma das grandes novidades do satélite da Capella, é a resolução com a qual pode coletar imagens: Cada pixel representa uma área de 50 centímetros quadrados, contra os concorrentes, que tem resolução de 5 metros quadrados.

    A empresa alega que com a tecnologia, pode-se monitorar atividades em áreas de conflito, aeroportos, desmatamentos e cadeias de abastecimento, por exemplo. Isso é verdade.

    Mas, importante dizer que nada impede que governos autoritários, empresas inescrupulosas e, quem sabe, parceiros ciumentos, bisbilhotem a sua vida.

    A espionagem, naturalmente, não fica só no âmbito dos satélites. Ela se vale de objetos muito mais cotidianos, tal como o seu celular.

    Celulares são tão comuns, que você provavelmente está lendo esse texto em um. Se não estiver, provavelmente ele está num raio de menos de 3 metros do seu corpo. Acertei? Sei que sim.

    Recentemente o criador do software livre Linux,  Richard Stallman, afirmou que “os celulares são o sonho de Stalin, porque emitem a cada dois ou três minutos um sinal de localização para seguir os movimentos do telefone. (...) E, ainda pior, um dos processadores dos telefones tem uma porta traseira universal. Ou seja, podem enviar mudanças de software à distância, mesmo que no outro processador você use somente programas de software livre. Um dos usos principais é transformá-los em dispositivos de escuta, que não desligam nunca porque os celulares não têm interruptor”, afirma.

    No português claro, isso quer dizer que o seu celular continua captando os sons ambientes - inclusive as suas conversas - ainda que esteja desligado.

    Nesse mesmo norte, afirma que o escândalo do Facebook e a Cambridge Analytica não o surpreendeu. “Sempre disse que o Facebook e seus dois tentáculos, o Instagram e o WhatsApp, são um monstro de seguir as pessoas. O Facebook não tem usuário, tem usados. É preciso fugir deles”.

    Rapidamente, vale lembrar que em 2015, a Cambridge Analytica tornou-se conhecida como a empresa de análise de dados e inteligência estratégica que trabalhou inicialmente para campanha presidencial de Ted Cruz, nos Estados Unidos.

    Em 2016, após a derrota de Cruz, mudou seus algoritmos e trabalhou para a campanha presidencial vitoriosa de Donald Trump.

    Já no Reino Unido, envolveu-se com a campanha do Brexit, visando a saída do Reino Unido da União Europeia.

    Por agir visando manipular democracias, a atuação da empresa se tornou  objeto de várias investigações criminais que ainda estão em andamento em ambos os países citados.

    O mundo da espionagem é fascinante e muito amplo. Caso se interesse saber mais sobre o assunto, recomendo a série “O Arsenal dos Espiões”, que está disponível na Netflix tem algum tempo já.

    A série acompanha como, ao longo da história, as tecnologias e os dispositivos criados para a espionagem se tornaram tão importantes quanto os próprios espiões, fazendo um abrangente apanhado dos tipos de técnicas e ferramentas utilizadas no mundo da espionagem.

    Vale a pena tanto como simples entretenimento, quanto para que você tenha noção das vulnerabilidades que te cercam. Só assim você poderá tentar defender o restinho de privacidade que ainda te resta.

    OUTRAS NOTÍCIAS

    veja também